The Good & Old Rock'n'roll

The Good & Old Rock'n'roll
Traduções de músicas & textos sobre o rock'n'roll e sua história.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

ANOS 80



Dá pra ver os anos 80 de outra galáxia se considerarmos suas características e, entre elas, as musicais. Técnicas de gravação, timbres instrumentais, tecnologia na produção de instrumentos e aspectos da produção do período ficaram extremamente datados e o que havia surgido como a promessa de um futuro surpreendente foi, rapidamente, condenado ao "museu das grandes novidades". Se comparado aos anos 60 e 70, por exemplo,  a música produzida e gravada nestas décadas soa atemporal e atual, ouvida hoje. Não somente a música mas, também, o design, a moda e a tecnologia como um todo pecam por uma espécie de excesso barroco nos anos 80.





Alguns flashes da "insustentável leveza" dos 80's.



Considerando exclusivamente a música, artistas que, na época, já possuíam carreiras consolidadas e buscaram a adequação aos novos tempos, deram com os burros n'água. A título de ilustração, é consenso, entre a crítica musical, que a pior fase na carreira de mais de meio século de Bob Dylan se deu durante os anos 80 e, também, o que foi produzido por Neil Young e Eric Clapton na mesma época, não desperta amores. 

Bob Dylan - Empire Burlesque 1985
Neil Young - Landing On Water 1986
Eric Clapton - August 1986


Por outro lado, se os anos 80 pecaram por excesso, não pecaram por omissão. Talvez, musicalmente falando, seja a última época a levantar, mesmo na cafonice, nas cores bregas e berrantes, a bandeira da originalidade.

O que vem depois, mesmo com vislumbres de autenticidade é o passado requentado para matar a saudade de quem não esteve lá. Numa palavra gasta pelo uso, reciclagem, até mesmo a dos... anos 80.

O hard rock farofa, rococó, afetado, hedonista, foi suplantado, no início dos anos 90, pelo grunge, quando o álbum Nevermind tomou o 1° lugar na parada Billboard de Michael Jackson, sintomaticamente, o ícone-mor dos anos 80, repetindo o que, há pouco mais de dez anos antes o punk rock tinha feito com os, também barrocos, excessos do rock progressivo.

Hair Metal ou Hard Rock Farofa


Para o rock, os anos 90 foram minimalistas, profetizando a época das vacas magras que a indústria musical, também vítima de seus próprios excessos, viria a enfrentar com a tecnologia digital. O grunge enalteceu a figura do loser, do perdedor. O rock se tornou brocha, emburradinho e a negrada do rap e do hip hop, reivindicou para si o excesso. Ela e o Oasis.

Loser...

e lo$er.

Se o poeta William Blake estava certo quando escreveu que "o caminho do excesso leva ao palácio da sabedoria...

Nenhum comentário:

Postar um comentário